Longe, longe, longe

Imagem

Quando calei? Não sei. E quando se cala é sempre tempo exagerado, o do silêncio. Talvez seja a maior ausência de todas, essa auto companhia que os calados fazem a si mesmos. Nada vi no mundo do nada dito. Então, sem a graça das coisas ditas, escritas, lembradas ou esquecidas, também não ouvi um sorriso, um olhar apaixonado ou um quadro digno do nada tão detalhadamente construído. Não existe um grupo, um “nós, os quietos”. Somos eu quieto, tu quieto, ele quieto, não me torno algo a partir de alguém. Sou necessariamente o que escrevo ou falo, mas essencialmente existo no calado de um navio e sua quilha, fugindo das armadilhas escondidas nas correntezas. Quando calei? Eu é que sei? Me digam os cadernos G, os sertanejos universitários, os grupos de pagode, os prá frente, Brasil. Enchi meus pulmões de um ar silente. Ando calado, é verdade. Meu silêncio é fagulha atenta. Onde pega, queima. Onde queima, arde.

Anúncios

Publicado por mariel

Desde 1959 tem sido assim

3 Comments

  1. Muito bom o texto. é de sua autoria?
    Bjos

    Curtir

    Responder

    1. Você é uma querida. É meu sim. Espio sempre o teu blog e gosto do que vejo por lá. Beijo, guria.

      Curtir

      Responder

      1. Obg. Parabéns, vc escreve mto bem.
        Bjos

        Curtir

        Responder

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s