O amor não é para amadores

Imagem

A foto, tirei de um casal distraído, penso que o amar é assim, acontece aos que se dão por vencidos. E, não precisando mais, abrem mão de ter razão e passam a conversar entre si. Ninguém é feliz sozinho, como diria o poeta? Mesmo, mesmo?  Os amores são para amantes, não para iniciantes, esses que declamam coisas como “não posso viver sem você” e acham que isso é, sei lá, bonitinho. Se alguém me diz isso, antes de terminar a frase, estou a 200 quilômetros de distância e não vou pensar em parar antes de chegar a seguros 400 quilômetros. A não ser que seu amor seja seus pulmões, sim, você pode ser feliz sem ele ou ela. Diria que deve: ninguém encontra um amor que mereça esse nome se antes não for capaz de ser completo sozinho, que essa coisa da metade da laranja é conversa pra Fábio Junior dormir. O amor é vão, escreveu o Gil, no sentido de espaço comum, não de único espaço. Amar é um ato de independência, vem aos poucos ou em forma de avalanche, não importa. Mas depois de toda a desarrumação que causa, o sentimento se acalma e serena pela consistência amena da sua matéria prima, a admiração pelo outro. E se o que admiro no outro é a projeção do que vejo de mim, qual a graça dessa criatura reflexo, eco do que penso, dependente do que sou?  Amar faz a diferença, mostrando que há distancia entre os amantes, amores precisam tanto do hiato quanto do contato, prantos às vezes, noutras saudade, lembranças, fins de tarde, mesmo anos à fio sem a menor notícia, ninguém morre de amor, só é possível viver a partir dele, não por ele. Quanto desencontros, abandonos, desentendimentos,  solidão e caminhadas noturnas em nome do amor que se deseja ou se espera e ele nem existe, é uma invenção do SBT, passou na TV, projetou-se no cinema, transformou-se em poemas, consagrou escritores, convenceu céticos e terá seu fim decretado pelo fato puro e simples de não poder sustentar o peso que causa. O melhor pronunciamento desse amor é quando se cala, silenciado pelo pouco que tem a dizer, extenuado pelo tanto que cobra. Quem não se ama a ponto de não poder viver sem o amor de alguém, que amor pretende ou oferece? É um amor sem brilho, nem trilho, nem trem. Quando um amor real surge, ressalta o que há em você de especial, mas tem que haver,  tem que ser você, que enfrentou leões, multidões, que manca, que se levanta e que já esteve encurralado no lado errado do rinque. Tem que existir você, porque o amor não mostra o que não enxerga, nem resgata quem não o mereça. Ah sim, o amor melhora a pele, deixa os cabelos brilhantes, o sorriso fica mais fácil e nada é assim tão caro ou longe. Mas o mais fundamental que ele traz é sua capacidade de tornar-se eterno, posto que clama pelo infinito e pelo pleno do qual é feito. Não amo o amor, nem dedico a ele altares ou poesia ruim. Em compensação, lhe ofereço o que existe em mim de presença. Não para prende-lo, mas para que o mereça.

Anúncios

Publicado por mariel

Desde 1959 tem sido assim

21 Comments

  1. O amor que se cala… silenciado… É amor maduro… profundamente sereno e calmo. Assim que deve ser!!! Amei seu texto. Abs.

    Curtir

    Responder

    1. Adoro sua presença por aqui. Nunca deixe de vir! Estou sempre por lá.

      Curtido por 1 pessoa

      Responder

  2. O primeiro amplo estudo sobre amor foi feito pelo sociólogo John Alan Lee, da Universidade de Toronto, e publicado em seu livro, The Colors of Love (1973). Não sei se tu leu… indico a ti!
    O Banquete certamente já deve ter lido. Bjs Bjs <3

    Curtir

    Responder

    1. O banquete, sem dúvida, algumas vezes. Agora você me deixou babando por esse estudo do John. Vou procurar, ah se vou. Valeu pelo toque

      Curtido por 1 pessoa

      Responder

      1. Eba! muito bom esse viu vale a pena! Bjs Bjs <3

        Curtir

        Responder

        1. Oba, então continue vindo que isso motiva!

          Curtido por 1 pessoa

          Responder

  3. O valor moral imposto pela cultura, afasta o individuo sempre mais de si mesmo. O artifício criado pelo homem de amar o próximo é um mecanismo que inibe a realização da própria vida. Construir a vida a partir de artimanhas que manipulam a própria natureza da existência é construir um método de conhecimento que orienta o homem sempre mais ao vazio obscuro e ilimitado do nada, vazio e nada, que antecede o princípio da geração do mundo. Retornando ao niilismo, o homem retorna a grande confusão e desordem do caos. Ah o amor!!! <3

    Curtir

    Responder

    1. E se afasta da gente mesmo, nos afasta do amor que buscamos, confere? Tenho que pensar um tanto se realmente há algo capaz de inibir a vida. Como vejo, o ego é muito maior do que imaginamos, nos ultrapassa, está em lugares não imaginados, projeta toda sorte de desejos, vontades, formas, produtos, conceitos. Na sua forma maior, tenta reinventar a criação, é a Matrix: cheia de possibilidades, repleta de brilho, mas incapaz de sentir de fato.

      Curtido por 1 pessoa

      Responder

      1. UAU! Tu escreveu lindamente! Amei… preciso estar menos dispersa para apreciar a leitura. Prometo ler com mais carinho! Bjs Bjs Bjs amo Bjs rsrsrs <3

        Curtir

        Responder

        1. Venha quando quiser, dispersa ou não. Tu és sempre bem-vinda

          Curtido por 1 pessoa

          Responder

  4. Não sei se me explicarei bem, Mariel, mas penso que quando se é novato ou principiante no amor, ama-se de forma ‘jovem’, inaugural, impetuosa, generosa e fecunda. Contudo, e infelizmente, esse potencial diminui com o passar do tempo e é uma perda e não um ganho não ser mais capaz de sentir e fazer como outrora, com o vigor de outrora. De verdade, eu preferiria ver o amor nunca mudar a vê-lo assim, tão tolerante, manso, compreensivo,e por que não, morno.

    Curtir

    Responder

    1. Ah, o amor é vão, como diria Gil. Um espaço entre as coisas sólidas que se desmancham no ar. A constância do amor vejo diferente e a vista do meu ponto sugere que se trata de um modo de tentar retira-lo da maior lei de todas que é a mudança e o movimento constante de tudo. Imagino (ou pelo menos torço) para que o meu amor cresça na velocidade serena, compreenda no limite do auto respeito, tolere mas não se anule, que seja manso, mas que saiba para onde não está indo e que seja morno quando possa relaxar e aquecer com suavidade. É o que também desejo pra ti.

      Curtir

      Responder

  5. Um texto objetivo e profundo, estou sem ar(no bom sentido, é claro!)…. Abraços

    Curtir

    Responder

    1. Mas isso (ficar sem ar, em qualquer sentido) é ótimo! Nião sei quem disse, mas é algo mais ou menos assim, que viver não é quando você está respirando. É quando você perde o fôlego de tanta coisa que vê.

      Curtir

      Responder

  6. Muito legal o jeito de usar a foto como base, eu não teria coragem para tirar uma foto de estranhos por ai.
    Gostei muito do texto.

    Curtir

    Responder

    1. Ah, mas eu tenho uma super zoon, Bernardíssimo. Gosto do seu conteúdo também. Abraço e boa semana

      Curtir

      Responder

    1. Queridinha, querida, queridíssima minha

      Curtir

      Responder

  7. “Os amores são para amantes, não para iniciantes, esses que declamam porcarias como “não posso viver sem você” e acham que isso é, sei lá, bonitinho. Se alguém me diz isso, antes de terminar a frase, estou a 200 quilômetros de distância e não vou pensar em parar antes de chegar a seguros 400 quilômetros”.

    Um texto realista e bonito. Confesso que tambem tenho vontade de tirar fotos de casais desconhecidos na rua, quando encontro um .

    Curtir

    Responder

    1. Minha nossa, faço isso direto. Adoro a expressão natural, os gestos, as poses não pensadas. Quando saio para “caçar fotos”um dos temas, com certeza, é esse.

      Curtir

      Responder

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s