Não me representam

Imagem

Não me libertem desse governo, nem de nenhum outro. Não lutem por mim, não marchem em meu nome, não me usem, não seremos amigos. Nem conhecidos, nem haverá risco de erro de afirmarem a meu respeito que desprezo seus métodos e metáforas, os acho grotescos, escusos, secos. Por outro lado, não os mataria, mesmo sem querer, mesmo tendo advogados e seus discursos ensaiados, mesmo possuindo causas aflitas, motivos justos, mesmo assim, não lutem por mim, peço. Não coloquem cartazes, nem vistam camisetas com imagens do Amarildo, o mesmo Amarildo que vocês -tivessem real oportunidade- acorrentariam a um poste.  Dispenso as máscaras, abro mão de toda e qualquer vantagem nascida desse argumento libertador, não subam em minhas costas para chegar a um poder que os fascina a ponto de se desfigurar a obra para  que ela tenha suas imagens, seus gestos e suas formas. Toda vez que gritam, me ensurdecem e deixo de ouvir as canções do Nico, do Herbert, do Chico, as canções que gosto. Toda vez que se reúnem, demoro a passar e perco um tempo precioso aos amores raros, às lembranças boas, bons abraços,  um momento de descanso dos meus  cansaços, que são tantos e que doem mais à medida em que me perco na tentativa inútil de entendê-los. Os nomes que reconheço como a primeira maravilha do mundo? Betinho e sua insaciável luta por milhões de pratos. Este serviu à vida, mesmo sabendo que em breve, a sua estaria desaparecida. Ele morreria, é fato, mas sem o fardo de não ter feito nada diante da falta de arroz, feijão e um bom samba de madrugada.  É hora de lembrar de Frei Beto, São Francisco de Assis e seu método revolucionário que era fazer o bem, de transformar o bem em caminho, de não se apropriar do bem, além de falar com passarinhos. À benção Chico Xavier e sua vontade impressionante de aproximar os que estão distantes.Hoje morreu um trabalhador morreu em plena lida. Morreu entre desconhecidos. Morreu entre desaparecidos. Morreu entre os que verdadeiramente devem ser esquecidos.

Anúncios

Publicado por mariel

Desde 1959 tem sido assim

47 Comments

  1. Mariel, adorei a forma em que você abordou um tema triste de forma realista. Muitas pessoas estavam em protestos dizendo “lutamos pelo Brasil” quando na verdade não é bem isso que acontece realmente. Acho que há muito mais por trás de tudo isso, mas você, encantadoramente transformou tudo isso numa crônica maravilhosa!
    Parabéns, e um beijo!

    Curtir

    Responder

    1. Ingrid, querida. Tomo uns sustos com os caminhos do protesto, essa união de direitos sendo exercidos por foras da lei. O importante, nisso tudo, é a tua vinda até aqui e essa nossa amizade que se fortifica, combinado? Beijo pra ti também!
      M

      Curtir

      Responder

  2. Citando Betinho, que você, muito melhor que eu, fez em seu texto “Solidariedade a gente não agradece; se alegra.”, acrescento que poesia igualmente!! Seus textos são!!
    Beijo ternurento

    Curtir

    Responder

    1. Você, isso é definitivo, é uma querida.

      Curtir

      Responder

  3. que grande texto… descreve bem uma realidade, que arrisco a dizer intemporal e global, no meu caso, é só mudar o “endereço” para Portugal ;))
    muitos parabéns e obrigada pela partilha!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder

    1. Patrícia, aqui desse lado do oceano concluo que o que nos aproxima é muito maior do que as coisas que nos afastam. Digo isso pensando em nós, os humanos. Então, ao encontrar gente como você, disposta a construir pontos de encontros e espaços de conversa, isso me enche a alma de uma alegria que confirma a vitória da vida sobre qualquer tipo de outra força. Grande carinho pra ti.

      Curtir

      Responder

  4. É preciso continuar acreditando, mesmo quando tudo parecer contrário. Se não for assim, o que será de nós? Vou ler uma vez mais… Gr. BJ.!

    Curtir

    Responder

  5. Precisamos continuar acreditando, mesmo quando tudo parecer contrário. Se não for assim, o que será de nós? Vou ler uma vez mais… Gr. Bj.!

    Curtir

    Responder

    1. Acreditar sempre, Cris, sempre. É gente comò você, disposta a ler mais uma vez as coisas que estão na vida, é gente assim que precisa vencer e orientar.

      Curtir

      Responder

  6. Mariel,
    A leitura me deixou sem fôlego de tão intensa e, ingênua que sou, guardei a esperança de poder recuperar o meu ritmo respiratório ao fim do texto. Qual não foi a minha surpresa quando, em vez de me devolver o ar, fez sumir os últimos goles que me sobravam!
    Uma escrita perfeita e um sentir pungente.
    Parabéns!

    Curtir

    Responder

    1. O que acho, falando de alma pra alma, é que estamos todos tocados e surpresos com os rumos que as coisas tomaram. De algum jeito, penso que fomos todos inocentes e ingênuos, o que é bom. Mas creio que também falhamos ao não perceber o movimento dos farsantes e suas trapaças orquestradas para ferir as esperanças de todos. De minha parte, Dulce, não passarão, não passarão, não passarão. Nossa lingua é nossa pátria. E falamos a lingua da paz. Beijo pra ti e um abraço que te devolva o fôlego.

      Curtir

      Responder

  7. Texto visceralmente lindo! Obrigado por compartilhar conosco uma partícula de tua grande alma.

    Abraços!

    Curtir

    Responder

    1. Você é muito querido e viu uma quase desistência sendo escrita, porque é muito o que andamos vendo nesses dias mais duros. Quando digo desistência não é da vida, mas de olhar para o nosso país e para a nossa humanidade e ficar pre-exausto pelo tanto que teremos que fazer. Então recebo uma mensagem querida dessas e me digo: vamos lá. Valeu!

      Curtir

      Responder

  8. Grande mestre Mariel, parabéns por falar, com a sensibilidade de sempre, em nome de toda nossa classe média, que vê seus direitos açambarcados dia após dia.

    E que, quando tenta protestar a esse respeito, tem seus protestos também açambarcados.

    Curtir

    Responder

    1. Na verdade, a ousadia era falar em nome da média da humanidade, essa que olha pra coisa e se diz “você aqui outra vez?”. Lentamente, estou chegando à inevitável conclusão que os chatos herdarão a Terra. Felizmente, isso não se aplica a vocês que são engraçados, bem humorados e inteligentes, qualidades impossíveis se serem açambarcadas. Big abraço! Fazia tempo que você não aparecia.

      Curtir

      Responder

      1. Perfeito: a classe média é a média da humanidade. 8-)

        Bem humorado, engraçado e inteligente é seu blogue que diz tudo o que queremos dizer com bom humor e sem usar nenhum palavrão, não importa como esteja a coisa.

        Lamentamos a ausência: estivemos investindo muito tempo no Twitter, mas acreditamos que agora encontramos o caminho das pedras.

        Continuarão as visitas a seu excelente blogue. Inclusive até porque esperamos tocar projetos conjuntos.

        Vamos mesmo ?

        Curtir

        Responder

  9. Mariel,
    Você falou tudo que sempre entala em nossas gargantas. o começo foi válido, mas depois tudo perde a razão de ser e vira bagunça, vira um bando de desocupados buscando algo que nem eles mesmos sabem o que é.
    As noticias que chegam aqui nos faz sentir olhares críticos e desconfiados de pessoas que generalizam o pouco ao todo. Mas ao mesmo tempo, nós mesmos nos rebelamos contra este grupo que no fundo só quer mesmo, matar o trabalho para sair as ruas para gritar suas mágoas e frustrações pessoais. Porque sinceramente, existem formas muito melhores de se reivindicar por direitos sem precisar pedir esmolas ou agredir e matar pessoas.
    Beijos meu Querido Amigo

    Curtir

    Responder

    1. Com toda a certeza, o que vc está recebendo aí tem muitos filtros, acredite em mim. A impressão que tenho é que o controle das forças, vontades, interesses, estratégias e objetivos (a maioria torpe), está entrando em colapso. Junte a isso os burros com iniciativa e começaremos a encontrar muitos teóricos, muita conspiração e muitos corpos.Beijo pra ti, guria. Não deixa de escrever, que isso é fundamental para o bom humor aqui desse lado do atlãtico.

      Curtir

      Responder

  10. Mariel, espetacular essa sua postagem. É triste, mas é realidade e tem que ser refletida. Nada melhor que seu texto para puxar as orelhas dos “insensíveis” como eu. Inflamado na hora e esquecido logo depois. Como diria o Gonzaguinha: “Não dá mais pra suportar…Explode coração”.
    Um abraço,
    Manoel

    Curtir

    Responder

    1. Você é um querido e está longe de ser um insensível. Leio você sempre e sei do que falo. Gonzaguinha, um craque, estava certo. Super abraço!

      Curtir

      Responder

  11. É bom pra alma da gente, ler os seus escritos. Suaviza um pouco essa sensação de que não há respeito pela vida entre humanos. Me faz bem, acreditar que ainda existe gente, com noção, lucidez e sem armas na mão.
    Obrigada.

    Curtir

    Responder

    1. Nossa, que coisa boa de ler isso. Não pelo elogio em si (que adorei, claro), mas por me saber acompanhado, por entender que estamos lado a lado, que se isso não é possível agora, não deve deixar de ser sonhado. Meus dias vivem disso, de preparar um tempo sem armas na mão.

      Curtir

      Responder

  12. Já ouvi de tudo. Que esta é uma época de culto à violência, de repúdio à tolerância, da rapidez em rotular e da maior rapidez ainda em condenar. Ouvi que esta é uma época de decadência, onde as pessoas se amontoam em blocos, onde as pessoas escolhem um lado para amontoar pedras que jogaram contra outras pessoas em outros blocos. Não sei, não entendo e nem consigo discutir sobre o tempo e a moral do tempo. Prefiro pensar que se tratam das mesmas coisas de sempre: a condição humana. O humano, o “humus”. Capaz do pior e do melhor. Poderia dizer também: capaz do melhor e do pior. Viu? É questão de escolha. Mas entendo a tua ira e prefiro pensar, não, eu penso mesmo, que é a ira de um homem de boa vontade. É o que transparece. Um grande abraço, amigo.

    Curtir

    Responder

    1. Não tenho ira, essa coisa inebriada e sem foco, a raiva governando sem oposição. Mas acho que há razão em tudo o que você ouviu. Somos violentos, rotulamos rapidamente, estamos em declínio, vivemos em blocos e temos pedras nas mãos, somos tudo isso e penso que estamos esquecidos da nossa humanidade, o humos, o humor, o básico da nossa condição humana, capaz do pior e com uma incapacidade crônica para o melhor, ainda que as duas coisas sejam uma atribuição moral, e concordamos quanto à pouca valia disso. Quero mesmo ser um homem de boa vontade e de vontades boas. Viu? Isso é uma questão de escolha. Você me traduziu com uma sagacidade impressionante, uma delicadeza emocionante e uma objetividade surpreendente. Você me representa.

      Curtir

      Responder

    1. Fiquei tão cinza, creme, furta cor, fiquei ali, olhando a notícia dessa vida ida, dessa história sem fim e no entanto acabada pelo pior tipo de estúpido que existe: o com iniciativa. Mas tem gente como você, que visito, que me visita, sempre tem, então escrevo. E escrever me acalma. Muito valeu.

      Curtir

      Responder

  13. Exato! Por que não a revolução do fazer o bem?! Gostei muito!

    Curtir

    Responder

    1. Porque não? Vamos então. Gosto muito dos seus escritos também! Bem muito.

      Curtir

      Responder

    1. Obrigado pela honra do reblog, querido.

      Curtir

      Responder

      1. Eis a lei da reciprocidade, amigo.

        Curtir

        Responder

        1. Então obrigado. A admiração é, mesmo, recíproca

          Curtir

          Responder

  14. Pôxa Mariel, me fez verter lágrimas com esse tocante e verdadeiro texto de um doloroso e vergonhoso tempo que vivemos. Eles também não me representam!

    Curtir

    Responder

    1. Roseli, acho que o limite foi ultrapassado faz algum tempo. Não podemos nos comportar como fantoches para jogos políticos. Não podemos ficar calados enquanto os gritões estouram nossos ouvidos. Em paz, mas firme, a humanidade terá minha participação (e tenho certeza que a sua) na construção de um tempo onde a vida -toda vida- não seja tratada como algo efêmero. Beijo

      Curtir

      Responder

      1. Acredito que já estamos fazendo o diferencial Mariel. Mas podemos e devemos fazer mais. Beijo

        Curtir

        Responder

  15. Ueba! Seu texto chegou no meu email.

    Agora, vai de novo em Configurações. Nele em Leitura. Ai onde estiver – Para cada post em um feed, mostrar -, selecione: Resumo.

    Para o caso de ter mais preguiçosas como eu, ler todo o texto por lá mesmo no email.

    Curtir

    Responder

    1. Quem leva principalmente a bandeira da violência, também não me representa.

      Um belo dia para ti! Sobretudo com ele mais fresco!

      Curtir

      Responder

      1. Lella, o dia chegou com ventinhos bons. Viu? A natureza sabe quem obedecer e quais pedidos atender. Um abraço dos de urso pra ti.

        Curtir

        Responder

    2. urruh! Deixa que eu já faço isso. Valeu!

      Curtir

      Responder

    3. Feito, chefia. O que não te libera de conversar comigo.

      Curtir

      Responder

  16. Belíssimo texto meu caro. Suas palavras calaram meu intimo e me emocionaram. Ontem enquanto escrevia e tomava meu café, soube da morte do profissional e ao meu lado um rapaz disse “pena que não foi alguém da globo pra eles sentirem na pele”. Fiquei tão sem ação porque não importa a emissora por trás do homem, importa sim o homem e os seus. Foi um ser humano que morreu ou será que não sei eram conta disso? Por isso amo os passarinhos e, adoro meu cão..

    Bacio

    Curtir

    Responder

    1. Seus passarinhos e seu cão estão em boas mãos, Lunna. Não se pode dizer o mesmo do brasil que existe para a situação e para a oposição. Não aceito mais as opiniões fast food, as conclusões óbvias, os comentários de rotina, aqueles com marcas de gordura de pastel num canto da folha. É por isso que sigo gente como você: enquanto caminho, sei para onde não estou indo. Beijo

      Curtir

      Responder

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s