Mariel Fernandes

Está escrito

enluarada

Aos covardes do amor, cem anos de solidão. Que vivam nas sombras das suas desculpas razoáveis, cheias de bom senso e justificativas plausíveis. Os conspiradores sabem por quem os sinos dobram e os abandonam, transformando a si mesmos em fantasmas da terra do nunca. Não se aventuram, por isso não se perdem. Evitam desafios marítimos, por isso não naufragam. Se acreditam à salvo das tempestades, por isso transformam a vida em sonhos de uma noite de verão.

Aos covardes do amor, uma certeza: vivem em guerra e paz com eles mesmos, são um estado de alma e escolhem ver a vida no cartão postal por acreditar que podem abrir mão da paisagem. Crendo nisso, se condenam a uma existência menor e seguem sorrindo em direção à outras vidas secas.

Aos covardes do amor a consciência de que crime e castigo andam juntos, mas não como pensam. Crime é abrir mão. Castigo é apenas sentir em rotina sonolenta o tempo e o vento passando.

Aos covardes do amor, mil e uma noites recheadas do sempre, esse que elege eterno tudo aquilo que não dura, se transformando no oposto da chama. Aos covardes do amor, a minha alegria perene. Sou o náufrago. Vivo em cidades invisíveis. Acho paris uma festa. Existo súdito de um pequeno príncipe. Escrevi cartas ao amor distante. Embarquei num bonde chamado desejo. Enfrentei mil léguas submarinas, acredito em histórias extraordinárias e num admirável mundo novo. Sobretudo não troco meu naufrágio real pela irreal que separa o velho e o mar. No fundo, prefiro ser um estrangeiro num mundo simpático aos miseráveis.

Anúncios

42 comentários sobre “Está escrito”

  1. “Escrevi cartas ao amor distante. Embarquei num bonde chamado desejo. Enfrentei mil léguas submarinas, acredito em histórias extraordinárias e num admirável mundo novo. Sobretudo não troco meu naufrágio real pela irreal que separa o velho e o mar. No fundo, prefiro ser um estrangeiro num mundo simpático aos miseráveis.”
    – DELÍCIAAAA de se ler!! Ler você é viajar junto. Adoro!

    Curtir

  2. E fiquei aqui a imaginar o que diria a autora de “orgulho e preconceito” com quem converso em missivas curtas jurando não me desfazer de certos desejos que preservo em silêncio, mas por agora, me contento com um “sim” seu… a edição de agosto ainda não começou, mas suas linhas parecem dizer-me… esse é o caminho. Então, meu caro, diga-me em voz alta que posso abrir as páginas da próxima edição da Plural com essas suas belíssimas linhas?

    bacio

    Ps. Segue o link da revista
    http://www.pluralrevista.blogspot.com

    Curtir

  3. Mariel meu amigo! Já sentia sua falta por essas bandas blogosférica. E voltou com a corda toda num texto incrível! Homenageando nossos grandes autores e ainda dando uma baita lição aos covardes do amor. Sendo uma recém saída da caverna, vejo minha alma se iluminar mais e mais com suas palavras afinal, Está escrito!
    Bjs

    Curtir

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: