Mariel Fernandes

Como nascem as canções

antiga

Por hoje, direi não às canções cansadas e tristes. Então, talvez, possa caminhar tranquilo pelas horas e suas pressas, abrandando gestos e silenciando o passado. Antes, isso é importante, será precioso agradecer aos dias que se foram por tudo o que foram, permitindo que partam felizes e em paz consigo mesmos.

Estarei só e livre do que não me pertença e de qualquer coisa que me possua. Lembranças, pessoas, expectativas, razões absolutas, autopiedade e certezas gerais. Indulgências, heroísmos, menosprezos, pesos, esperas e esperanças. Seremos eu e minhas travessias, contos e canções, menos as cansadas e tristes.

Vou olhar com carinho eterno para todo tipo de existência. Permanecermos conectados pelo entendimento gentil sobre tudo que não foi compreendido em seu valor, importância ou dimensão. Conhecerei a mim mesmo, despertando assim a humanidade com canções que não sejam cansadas e tristes.

Por hoje, libero sentimentos prisioneiros. Desamotinados e reconhecidos em sua sinceridade e existência, terão direito pleno às primaveras, se forem esses os seus desejos. É a estação dos reinícios e ali marcharão na plenitude dos reconciliados, se transformando em trilhas, cometas ou canções, mas não as cansadas ou tristes, que terão um destino mais nobre pelo tanto que significaram.

Seus acordes acordarão um universo esquecido, povoando de ritmo uma nota antiga, primária, essencial. Despertadas, serão inspirações itinerantes, parindo (descansadas e alegres) as canções que não puderam nascer antes.

Anúncios

50 comentários sobre “Como nascem as canções”

  1. Um gentil vizinho da Getúlio, dizia quando me lia: Mããs báh guri, tu escreves tri bem!
    Devolvo a gentileza do galdério que o tempo me fez esquecer o nome. Embora não esqueça do Menino Deus, nem da solidão na imensa e povoada cidade onde cantam “deu pra ti, baixo astral”.

    Curtido por 1 pessoa

  2. Mariel!

    Passando numa rápida visita pois…

    Estou tentando sair de uma fase deprê… Onde os blogues – o de cinema e o pessoal – ficaram às moscas… Sem ânimo para escrever… Hoje que postei em ambos…

    Voltando aos poucos também aos blogues dos Amigos…

    No mais, Um Feliz Natal!
    Beijos,

    Curtir

  3. E depois de tudo, “canções de um Deus cheio de ritmos”!! Hum?

    Eu sei, desnecessário meu comentário, mas é enlouquecedora a saudade das palavras; das boas.

    Canções descansadas e alegres desejo para sempre em tua jornada, Mariel. A mão pesada e doce que me faz marejar não merece menos.

    Fins de ciclo são dolorosos. Não era minha intenção uma nota triste aqui, mas eu sou eu…

    Um abraço!

    Curtir

  4. Mariel, ligar o computador e ler esse seu texto é iniciar o dia da melhor forma possível. Gratidão imensa por suas palavras bem pautadas que fazem crescer em nosso íntimo o desejo de fazer melhor, de viver melhor nosso cotidiano tão maltratado. Parabéns pelo casamento perfeito entre escrita e imagem. Adorei!

    Curtir

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: