Em paz

“Ame-o ou deixe-o foi o slogan da ditadura, tempos ruins e sujeitos a bordoadas. Ali, o Brasil viveu um desses momentos exaltados pelos seus extremos e triste pelas dores causadas, cicatriz ainda intocável, tantas foram suas reaberturas sem a cura do perdão que só a justiça é capaz. É nesse quadro que Os Doces Bárbaros (Gil, Betânia, Caetano e Gal) surgem e dão à frase um destino mais humano, como só os bons artistas são capazes. No lugar do amor condicionado (ame-o ou deixe-o), propõem o lado pacificado do amor, com seu “ame-o e deixe-o”. Às vezes, ser o que ele é não preencherá nossos desejos e expectativas. Noutras, ir onde quiser não será ao nosso lado, mas ainda assim será preciso. Pode ser que você não faça parte da paz do seu afeto e isso não nos isenta de torcer para que durma tranquilo. O silêncio impera? ame-o e deixe-o. Precisa não vir, não estar, partir? Ame-o e deixe-o livre para amar. Os Veloso (Caetano e seus filhos) fazem uma bela interpretação da canção de Gil, cujo significado é intenso e atual. Estamos a milhas de distância, cheios de certezas à respeito uns dos outros, encharcados de lama, brigando por maço de cigarro, reduzindo os dias e dividindo a vida entre esquerda e direita. Há pouco em excesso, há cercas imensas e centenas de nada a declarar. Ainda assim, é preciso protegê-lo e deixar ser o que ele é.

16 comentários

  1. É amigo, amar está sendo a provação mais difícil para todos nós no momento. Contudo creio que apesar de tudo e talvez por tudo, conseguiremos superar justamente por amar demais tudo isso que recebemos. Belo texto!

    Nem sei se soube me expressar bem. As idéias e os sentimentos estão bem confusos diante do quadro atual. Abração!

    Curtido por 2 pessoas

    1. Você sempre sabe se expressar bem e sim, estamos todos confusos, precisando de presença e entendimento. Agora mesmo postei (e retirei em seguida) algo contra um político de uma forma automática, a biles pela biles. Uns com os outros, isso nunca foi tão importante. Super abraço.

      Curtir

  2. A Mariel, isso me fez lembrar meu pai, quando decifrava as entranhas da verdade não escondida, mas camuflada como dizemos. O jeito é esperar e fazer valer a frase, “O que a natureza nos dá, não podemos negar”. Abraços!

    Curtir

  3. Apesar das estranhas energias que andam por aí, expressas numa escrita perfeita nas últimas cinco linhas do belíssimo texto, as boas energias e a esperança estão no coração de muitos, como se sente lendo os comentários. E isso é muito importante!
    Também a energia musical e amorosa deste quarteto familiar dá uma bela contribuição!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Dulce, a esperança vai precisar de ajuda, muita ajuda. E sinceramente acho que receberá. Estamos em um momento em que a vida olha para nós para decidir quem ela mesma é, como mi diria Sartre.

      Curtido por 1 pessoa

  4. Lembro-me de que alguém um dia – talvez uma professora – me disse: o amor é como uma ave… se presa, definha…
    Se livre, prende -se. Fui entender isso há 32 anos atrás. Quando ele deu -me a liberdade, me teve para a vida toda.
    Assim é e o retrato no post de hoje no blog.

    Curtir

    1. Nossa, Mariana, que lindo. A reação das pessoas, as leituras que têm sobre as coisas que descrevo, isso sempre me surpreende. Há o enquadro, a perspectiva, o ponto de onde se observa a paisagem. No entanto, parece que neste post, estávamos exatamente no mesmo lugar e vendo os mesmos barcos. Muito legal

      Curtir

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.