As coisas que não esquecemos num táxi

R1 descansando na praia


Uma vez fiquei horas dentro do Lami, um riozinho do Guaíba, procurando minha primeira bicicleta. Ela se chamava Yara, assim com Y e nunca a encontrei. Esses dias conversei com Cristovam Buarque, o educador. Ele estava gravando um comercial que tinha roteiro meu. Foram momentos intensos, desses praticamente felizes. O riso de quem amo tem um pouco de acanhado, um tanto de reflexivo, vem de um lugar que não é a boca. Ela ri num reflexo de alma, acontece iluminando. Posso presenciar mil vezes a chuva acariciando a terra seca. Mesmo assim, o cheiro da terra molhando se transformando em cheiro de terra molhada será único de mil jeitos diferentes. Tenho uma amiga inglesa e estamos longe, longe, longe de dominarmos um o idioma do outro. No entanto, fomos capazes de conversar sobre as bases filosóficas da dialética marxista por horas. Há lugares por onde passo que despertam em mim o instante exatato em que passei. É como se passando, o presente se olhasse num espelho e visse o beijo, o tombo, a gargalhada, o assombro, o medo, a chuvarada, o sol vindo, a ideia nascendo, o passeio de mãos dadas, o chá, a árvore de estimação e a própria lembrança de cada estação. Sthephen Hawking em “Uma Breve História do Tempo” se pergunta se ele (o tempo), teve um início e se haverá nele um fim, compreendido como final. Acho que tem, mas num viés de significado: o fim como objetivo, meta ou legado. Penso que o fim do tempo é não esquecermos o nosso fim. Não de onde, mas para que vim. Não quem sou, mas tudo que pode me tornar pleno. Não para onde vamos, mas se nossa caminhada alegra o caminho. Não é preciso sim para tudo, nem não é algo impronunciável. Talvez viver seja uma plantação de lembranças, sementes de histórias e encontros dissonantes. Que seja nossa melhor memória e traga o sabor inigualável do instante que nos tormamos o que viemos fazer.


Autor: mariel

" Não quero viver comigo tempos mortos ". Essa tal de Simone, ela não é uma coisa?

10 comentários em “As coisas que não esquecemos num táxi”

  1. Vc tem cá uns amigos q renderiam muitos posts.
    Que pena q estragaram o Buarque ou ele perdeu-se naquele emaranhado de interesses ou revelou-se. Não sei, só sei dizer: q pena!

    Curtir

    1. os buarque estão super questionados por aqui. o educador ou o artista são excelentes no que fazem, o que não é garantia de que pessoalmente não possam se perder ou revelar. Mas te diria que o grande problema nunca será a desilusão, mas a ilusão sobre qualquer coisa ou pessoa.

      Curtir

  2. Será que poderíamos afirmar que o tempo está contido no tempo? Não sei mas quando o temos para filosofar é papo de pra lá do tempo que se esqueceu de avisar.😉

    Curtir

  3. Aiai… Bom demais passar por aqui sempre. Passando os olhos por suas palavras, a gente aquieta o coração – muitas vezes acelerado por excesso de atividades, problemas, cafeína. Ai meu Deus! Falando em cafeína, esqueci e tomei mais uma xícara. Preciso diminuir a danada. Voltando ao seu texto amigo, como eles desaceleram e transmitem paz, alegria, sensação de que nem tudo está perdido nessa vida filha da puta que vivemos. Sorry minhas palavras rudes mas às vezes é bem elas que precisamos expressar. Ihhhh isso está virando uma epístola (risos). Obrigada!!

    Curtir

    1. Eu gosto de epístolas, mas seu café é dos bons pelo jeito. Também adoro cafés. Ando de bike, preferencialmente. Portanto, desacelerar é o meu forte. Suas palavras não foram rudes e igualmente adoro suas visitas. Estamos todos na mesma página

      Curtido por 1 pessoa

    1. Que comentário querido o teu, Mariana. Além do que, caso Ele exista (o que acredito), ganhei pontos com o Maioral. Amém aí, Deus!

      Curtir

Os comentários estão encerrados.