Morpheu

Em Matrix, um filme que adoro até a segunda montagem, Morpheu é um herói resiliente, que não descansará até que Mr. Anderson se torne poderoso, despertando de seu sonho de plástico e conduzindo a humanidade de volta a si mesma. As cenas da libertação da mente de Neo (novo?) são lindas, intensas, acordando aquele ser para o que há de humano, belo e justo em sua essência. É a parir desse sonho que milagres se confirmam, a nossa atuação como construtores da realidade ganha palco e tudo abre caminhos para a descoberta e a expressão do amor. A intolerância nos levou King, mas manteve intacto seu sonho e sua ação por liberdade. Freud estudou sonhos profundamente. Sábios são chamados para decifrar sonhos e seus significados. Funcionou no Egito contra as grandes pestes, está nas escrituras, lendas e crenças de muitos. Num dos sonhos que tive, só a alma que amo poderia me ver. Afirmava a ela exatamente algo como “não se preocupe, só você pode me ver”, como quem se deixa enxergar, vê e é visto no pleno que alcançam. É algo recorrente esse sonho e esse sonhar. É algo que torna o itinerário itinerante, abre portas, pula muros e vai pra estrada que nos leva pra gente.