É.

Foi nos dias secos que aprendi a fazer canoas, preparar cabanas e a escutar o humor das coisas pela temperatura e velocidade das brisas. “Vem chuva”, me avisavam. “Tá chegando a hora dos Merlins”, me diziam. E assim, cheios de estalos, grunhidos e abafamentos, os dias secos se iam. Aprendi a fazer fogueiras nas eras geladas, parideiras de rios congelados, as amigas severas do frio. É quando tudo se retira e retrai, é de ranger os ossos, além de exigir um cuidado maior no caminho, você não quer topar com o dedão em nada. “Não se resfrie”, me pediam. “Não deixe que o coração congele”, sussurravam. Foi num tempo azulado que o amor me reviu e de novo se revelou, de tudo e de qualquer coisa se revendo e refazendo. Então não há sono, estamos salvos, é carnaval feito de filmes e leituras. É festa pagã, são flores de rua, ouvimos o barulhinho de pedrinhas na água e estrelinha cantar. Tomamos banhos em ilhas cercadas de amares atlânticos. É assim de onde vim. É daqui onde estou. É em paz onde vou. “Amor da minha vida”, se declarou. “Amo você”, me aqueceu. Então abri as janelas intermináveis do tempo, onde a tua imagem deixa a paisagem maravilhosa.

Autor: mariel

" Não quero viver comigo tempos mortos ". Essa tal de Simone, ela não é uma coisa?

9 comentários em “É.”

  1. Viva as dualidades da vida. É o amor que arruma a casa, mas as vezes, bagunça.
    Sempre bom te ler, sempre bom apreender! Siga escrevendo, sigo lendo!

    abraço!

    Curtir

    1. Queridão, se bagunça é porque a ordem não era aquela de verdade. Sempre bom escrever pra gente como você. Sempre bom ler gente como você. Vamos seguir juntos. No final, é o que importa. Super abraço!

      Curtir

Os comentários estão encerrados.