Mariel Fernandes

Vistas do meu Ponto

breve

Você pode ser o dono do banco central, ter maioria no congresso, andar de papa móvel, ser presidente da coisa toda.  Mas se você não tem seu próprio Natal, você não tem é nada. Há riquezas invisíveis, existem portais e sinais protegidos, fendas no mundo do ego onde encontros espetaculares acontecem, seguros ali em sua natureza. Te entregam o cheiro de terra molhada, canções específicas, palavras cifradas, amor, estado permanente de gozo, símbolos, verbena, capim limão, muitos significados, pequenos presentes, presenças tão intensas quanto raras, livros infantis e personagens como um cachorro bonachão, uma cadelinha mimada, a solidão inventada e, sempre ele, Perdas Necessárias. Você pode esperar anos por isso, resistir anos com isso em mãos, desde que também vivam em seu coração. Não as perdas, mas a presença e a confiança construída e mantida por sua essência resistente às circunstâncias e ao tempo. Você pode existir no hiato das coisas, esperando por horas a fio um riso, estar pronto por anos a fio por 10 minutos de mãos dadas, um momento, uma frase, um toque, um lugar de fala, uma declaração. Você pode acreditar que seu sentimento é curativo e estupendo nos milagres que é capaz de produzir. Por isso ser verdade, você então combina com Deus que lhe transfira o que machuque o outro e o ameace, em qualquer nível. Seja grosseria, solidão, células em multiplicação desorientada, abandono, auto aquecimento, soberba, doença rara, chatisse, normose, desonestidade, angústia, dor de qualquer magnitude, afetamento, desinteresse ou gripe forte. Não há qualquer heroísmo nisso, são gestos de amores templários. Esses, uma vez perfilados, formam teu exército de motivos, o modo como você se comporta no mundo, como ele reage a você, o que prende ou liberta de vícios ou labirintos. O mundo é competente para te desagradar, não sai da frente, é a vida em seus diversos ensaios sobre diversas cegueiras. Talvez a pior solidão inventada seja a crença sobre uma existência sem amor retribuído, tornando normal o desamor por si mesmo. Isso é mais do que sabotagem. Acho mesmo triste alguém imaginar-se imune aos afetos, dispensa-los, ignorando seus efeitos. Mas sim, há outras formas de amar sem que seja preciso dizer. Claro há eu te amo em silêncios, em presenças, em riscos, nas vindas, em pensamento, em entregas ocultas e imensas, em deixar-se conduzir, racionalizando os sentidos ou pedindo que se poupe dinheiro para velhice. Pedir sinceridade. Pedir para ser visto, ouvido em suas necessidades. Mentir para suas verdades. Se perder no encontro, rever-se feliz. Precisar ir porque ficar é o que se deseja. Eu não estava preparado para rupturas abruptas. Nunca se está, imagino. Sinceramente? Se existe quem esteja pronto para separar-se do que ama, que rifem os tambores. Eu não. Posso estar disposto a isso, mas preparado, não vejo como. Felizmente, me sinto bem por não ter sido poupado de qualquer dor. Me consideraram apto para caminhar pelo mundo usando as pernas que tenho. Ninguém se proclamou meu salvador, presupondo que sem a presença de algo ou alguém eu não seria capaz de existir. Ninguém me disse “ele não vive sem mim”, o que seria cruel e triste: lido com meu tempo e nele procuro ter a viviencia lúcida e emocionada das estações. Também o tempo exilado do bom do amor me permitiu reconhece-lo e comemora-lo em a perene plenitude. Perfeito em tudo? Não, claro que não. Então preciso ser sincero com quem me lê: não sei escrever. E antes que isso pareça pedido besta de elogio, esclareço: o que sei fazer é descrever o que vivo. Minhas opiniões são comuns e nem a mim interessam. O que estou tentando dizer é que agora, o que há de meu pra descrever é congelamento. Vamos combinar o seguinte: falar de gelo não tem graça nenhuma. Então, até que me torne verão (o que vai demorar um tanto), preciso me concentrar em aquecimento. Quando isso for fato, volto pra conversarmos sobre as vistas do meu ponto. De vez em quando? De vez em quando talvez venha conhecer alguém e diga algo. Quem sabe fotos? Quem sabe. Por hora tenho encontros com minha árvore, cafés às vezes, algumas despedidas, ajustes e o caminho que se apresenta. Há algo em mim que precisa renascer e ganhar significado por si mesmo. Será que estão lendo? Será vão entender? Houve algo, algo grande, uma avalanche, um ciclone, um cometa, um saxofone, o gatinho francês, o estado permante de abertura, a entrega completa, total e única. Agora, a vida me convida, sempre tão gentil comigo, a caminhar só, mas restaurado, a fechar portas e seguir abrigado no sempre. Foi uma honra. É algo em que saio muito melhor do que cheguei. Agi em amo pleno, fazendo por ele o maior bem que pude. Até, então. Claro que vou sentir falta.

Anúncios

21 Responses to “breve”

  1. Mariana Gouveia

    Vou estar aqui, te esperando… sempre com uma xícara de café, ou chá… água, talvez…
    Mas estarei aqui esperando que a janela se abra e venham muitos verões.
    Abraço carinhoso!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  2. Bia Perez

    “Há algo em mim que precisa renascer e ganhar significado por si mesmo.” Entendo perfeitamente e vou torcer pra se aquecer e retornar aqui rapidamente. Todos nós precisamos deste tempo. Até então. Abraços

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
  3. Roseli Pedroso

    Como assim amigo? Entendi direito? Vai sumir por um tempo? Nos deixar orfãos de seus líricos textos? Também vivo entrando em crises sobre minha escrita mas aqui, na blogosfera, o que mais importa (pelo menos pra mim), é a troca de sentimentos, ideias, experiências e a amizade construída. Ah…por favor! por favorzinho! Não some não! Dê-se um tempo para respirar, meditar, viver e em seguida, volte para todos nós que bebemos e nos alimentamos de seus textos. Beijo n’alma!

    Curtir

    Responder
    • mariel

      Roseli, você é uma pessoa do tipo tri legal. Sabe que não se trata de uma crise de escrita, uma crise existencial, não se trata nem de uma crise. Acho que a blogsfera é, mesmo, cheia de boas trocas e construções positivas. Assim que aquecer eu volto pra gente conversar, combinado? Beijo pra ti.

      Curtido por 1 pessoa

      Responder
  4. dulcedelgado

    Os ciclos da natureza são também os nossos dias, os nossos tempos.
    As fases de “congelamento”, de paragem e de introversão, quantas vezes apenas para entender, fazem parte desses tempos, como as de aquecimento e expansão.

    Por isso, porque somos natureza, entende-se muito bem essa necessidade de parar para renascer. Essa simbiose que depois levará a avançar um pouco mais, desde que nunca deixemos de Acreditar.
    Tudo compreendido.

    Mas, caro Mariel do outro lado do Atlântico:
    você descreve tão bem o que vive, a Vida que o anima e que nos anima as emoções, que tem sido um enorme prazer acompanhar esses sentir e a forma como o partilhou/ transferiu para os seus textos. Isto não é um elogio. É apenas a verdade.

    Por fim… surge sempre uma primavera que descongela os invernos, mesmo quando estes são rigorosos /dolorosos.

    Até lá!

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • mariel

      Minha grande amiga alem-mar, que carinho bem-vindo. Tenho essa crença, a da mobilidade das estações dentro de nós. Te agradeço a mensagem, o apreço e a presença.

      Curtido por 1 pessoa

      Responder
  5. Irina Marques

    Mariel, desculpe, eu de escrita não entendo muito mas, sabe sim escrever e se são sentidas essas palavras e se descreve o que sente, no meu ver, e no que leio vindo de si, sabe sim escrever e muito bem.
    E continue sempre.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • mariel

      Irina, o importante é ir e vir aos corações da gente e isso conseguimos muito. Muito grato pelo incentivo, muito mesmo

      Curtir

      Responder
  6. Léo Campos

    “Então, até que me torne verão (o que vai demorar um tanto), preciso me concentrar em aquecimento. Quando isso for fato, volto pra conversarmos sobre as vistas do meu ponto.” O blog não é “aquecimento”?

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • mariel

      Querido Léo. Grato pela atenção do teu carinho. Tudo significa algo, lembra algo e eu preciso agora me esquecer um pouco. Acho que não fui claro e isso só mostra a importância de um certo distanciamento. Seu comentário e atenção chegaram me alegrando a alma. Gratissimo

      Curtido por 1 pessoa

      Responder
  7. Blog.da.Anna

    Mariel, há um amor enorme por tudo. Meu para ti. Meu para tudo isso. Você escreve para sua alminha, seu amor, seu querer e me emociona. Como não sabe escrever? Se você chega aos corações, ainda que descreva, é escrita. Leio você e faço viagens, volto a lugares, pessoas, emoções. Não comento mas leio, muito, de teu tesouro. Há um tanto, tutti, sob essa montanha e quando vislumbro, me assusta. É tudo que eu amo, como disse indagorinha, porque intenso, indecifrável, avassalador. Sua descrição é uma avalanche. E me quedo relendo, voltando a épocas sepultas mas doces, inesquecíveis. E você parece até que estava lá. Escrita maravilhosa. …

    Não calcei seus sapatos mas estive aí, precisando hibernar. Bloguei a grande Ursa mas nunca pude me retirar, mesmo. E nem o grande lobo branco chegou. …

    Laços indestrutíveis. Construídos e que não encontro força – a rigor nem motivos – para romper. E quando não há força nem motivo, o Amor é inabandonável. …

    Meu amor, meu carinho e minha esperança de, enquanto aguardo com as lembranças deixadas por você, o Verão chegue e com ele, o calor e o conforto do amor para você.

    É verdade mesmo, será, que já não nos vimos antes?

    Meu abraço, meu carinho e meu volte logo!

    Anna.

    Curtido por 1 pessoa

    Responder
    • mariel

      Anna, nunca ninguém nos vimos, mas ver não é nem de longe o único meio de conhecimento. Existem caminhos tão mais impressionantes do que os nossos sentidos, não? Não posso deixar de dizer que a tua gentileza é aquecedora e que tuas palavras chegam sob a forma de energia. Muito, muito grato

      Curtido por 1 pessoa

      Responder

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: