Cartas

Li aquele chileno e lembrei de ti. Bom, eu respiro e lembro de ti. Olho agora para uma lua imensa, aqueles luões gigantes, uma noite quentinha, tem uma brisa no fundo de tudo e lembro de ti, que me parece tão longe, ainda que me visites de tantas formas.

Neruda era o poeta que te falo e veio me dizer que sou meu autor preferido, olha que lindo. Que escrevemos histórias, nos descrevemos em fatos, nos apresentamos capítulos, somos causa de nós mesmos. Causa de nós mesmos! De onde um homem tira uma boniteza dessas? É a verdade parindo o renascimento, a era da luz, não pelo fim das trevas, mas por sua integração e entendimento. Esse sujeito vem e me diz que nossos problemas são nossos, mas que se não os alimentarmos, morrerão de fome, a inanição será o destino do caos, nos colocando no centro não do cosmos, mas de nós mesmos. O Nobel comunista maneja bem as palavras, claro. Ele também retrata o amor de um modo tão… tão… bem, leia aqui em baixo, veja se isso não é coisa de alguém com mãos cheias da graça da vida e das graxas das minas chilenas.

Não te quero

Não te quero senão porque te quero,
e de querer-te a não te querer chego,
e de esperar-te quando não te espero,
passa o meu coração do frio ao fogo.
Quero-te só porque a ti te quero,
Odeio-te sem fim e odiando te rogo,
e a medida do meu amor viajante,
é não te ver e amar-te,
como um cego.

Vejo ali nos versos (olha que ousado, analisando Neruda. Só eu mesmo) os antagonismos de quem ama, o egoísmo de quem deseja pra si, o desespero de quem sente o que sente e perde a quem pertence.

Hoje fui rude com o dia, talvez com as pessoas, verdades nem sempre são suaves, mas tive encontros bons, quase como uma lufada de vento ou uma curva bem feita antes de apontar na reta e você lá.

Tomei Toddy de manhã, batido no liquidificador, gelado, imenso, delicioso Toddy. Deu uma baita dor de cabeça e o fígado me lembrou que há 40 anos não tenho mais 20 anos. De qualquer forma, acho que o pão na chapa foi o grande responsável por isso. Imaginei como as pessoas receberiam meu bilhete de despedida da agência, tive algumas reuniões bestas e troquei abraços com bons amigos, andar sem mágoa pelo mundo é uma delícia e eu me sinto um puro sangue, ou um touro, eu nunca entendi bem a metáfora. Me sinto bem, enfim.

Entendi sonhando contigo (aconteceu ontem) que Ithaca não é um lugar, mas um destino. Não se chega a Ithaca, se vai pra lá não no enfrentamento, mas no entendimento com o mar. Talvez esse tenha sido o erro de Ulisses, rugir para ondas, cegar cíclopes, urrar para correntezas. Penelope, mais sábia, tecia o dia da chegada. Mais sábia e mais amada a ponto de ser desejo de tantos. Mas Penélope é de Ulissses, se pertencem não o pertencimento instantâneo do tempo, o da primeira vista, o instável pra sempre, ah não. Se pertencem no embalo císmico que se provocam, se pressentem, se sentem, se atraem e se amam a ponto de partirem e permanecerem abraçados no entendimento do perene, do sempre e do constante.

Ulisses

Kavafis

Se partires um dia de volta,
pede que o caminho seja longo,
rico de experiências, rico de saber.
Não temas lestrigões nem os ciclopes,
nem nunca o Posidon furibundo;
não acharás aqueles seres na tua rota,
se for alto o teu pensamento
e sutil emoção mantiveres em teu corpo e teu espírito.
Nem ciclopes, nem lestrigões,
nem o Posidon bravio acharás nunca,
se tu mesmo não os trouxeres em tua alma,
se a tua própria alma não os puser diante de ti.

Pede que o caminho seja longo!
Sejam numerosas as manhãs de verão nas quais tu,
com prazer, com felicidade,
aportes em baías nunca vistas
Demora-te em empórios da Fenícia
e compra belas mercadorias,
madrepérola e coral, e âmbar, e ébano,
perfumes deliciosos e diversos.
Quanto puderes, investe em perfumes,
voluptuosos e delicados.
Visita muitas cidades do Egito e,
com avidez, aprende dos seus sábios.

Guarda Ítaca sempre na memória.
A tua meta é lá chegar.
Mas não apresses a viagem.
Melhor é que ela dure longos anos,
e que chegues à tua ilha na velhice,
com o que tiveres ganho pela estrada,
sem esperar que Ítaca te enriqueça.

Viver te presenteou uma bela viagem.
Sem isso, não terias te aventurado.
Mas nada além ela te dará.
Mesmo que a encontres pobre, Ítaca não terá te enganado.
Rico em saber e em vida, como voltaste,
entendes, por fim, o que significa vir.

5 comentários

  1. Kavafis, o Constantino, foi covardia. Em 1985 reuni meus últimos cobres e comprei o livro, na tradução de José Paulo Paes. Comprei junto com Doris Lessing, “O casamento das zonas três, quatro e Cinco”. Era uma sexta-feira. E havia promessas, claro, por parte do dia. Foi um bom dia. Honesto, claro e festivo e com muitas safadezas no entremeio. Ithaca, por outro lado, parece-me que seja uma cidade americana, na costa leste, muito citada em “Love Story”, de Erich Segal. Um livro-bunda. Ou, então, um porto místico a espera de vagabundos gregos depois de putarias de vinte anos. Abraços aos infinilhões.

    Curtido por 1 pessoa

    1. Você btem parte dom o demo, acho. Todo corinthiano deve ter e renovar no início de cada ano. Quem mas perceberia? Quem? Tenho um certo orgulho de você. E uma determinada dose de medo. Aceite o desafio. Leia a mais recente e se souber do que galo, terei certeza. Vc não tem parte, é o próprio diabo. Quinquilhoes de abraços.

      Curtir

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.