Mariel Fernandes

Às vezes não durmo, exagero no sono, acordo de noite, volto a dormir, desperto, reacendo e ressono. Cochilo andando de bike, bocejo em encontro importante, apago em viagem, digo parabéns em enterro, fico cansado, e suspiro. Sim, espirro enquanto dirijo. Tenho preguiça em estado insone, adoro cadeira de balanço, ando devagar, divago, deliro e durmo. Me interessa a sesta, odeio sexta e amo você.

Gosto de família, de briga pelo último bife, de ouvir meu apelido, de ter tido filhos, de ganhar netos, de falar pouco, de todo mundo falando ao mesmo tempo, de sentir muito, da gente se entendendo, de te ver rindo e de ficar quieto. Espero que me adivinhem, intuam, entendam o que não digo, me saibam, sou puro ego e dou um trabalho gigante. Chego antes, o riso me representa e o drama faz o resto. Sonhei com uma filha essa semana, já nascida, crescida, toda bacana. Aprecio chimarrão, gol do Inter, sou feliz sem Brocolis e fluente em linguagem calada. Quando o coração dispara do nada, junto com frio na barriga o que é? É certo que estou vendo você.

Não divido comida, nem doce, nem você. Se precisam, sou pra já. Misturo presença e distância. Furo, perdoo e peco. Futebol na praça, poça dágua, festa na roça, novela, uma boa história me atordoa, ficar à toa, de compreender algo em suas sutilezas, tua delicadeza. Se tenho isso, peço nada e sigo a vida até o fim, mas sempre pendendo pra esquerda. Sou do tipo porreta. Uso frases longas e meu principal ponto de vista é você rindo ou vindo. Discordar, às vezes, me diverte e levo o outro à loucura. Dou tudo que posso, nego se preciso de algo. Às vezes me morro. Às vezes me mato. Quase nunca me ouço. Vivo atento e se me calo é porque doeu. Depois me esqueço. Depois me amanheço. Depois me enterro, depois sou eu.

Na maioria das vezes, tanto faz. O gosto do feijão, o jeito cortina, se tem glúten no pão, se é galo ou galinha. Não ligo pra vegano, se é preto, pardo, cigano. Se é puro ou se algo é gourmet. Gosto mesmo é de você. Quanto ao correto, o costume, o indigesto, se tem cabrito na sala, se a roupa combina, o nome da prima, a marca do carro, faço pouco caso, nenhuma questão. Conto histórias, banalizo, encurto, simplifico e curto minha memória curta. Corto açúcar, conte comigo, crio piada ruim. Como pudim, manga, melância, banana, goibaba. Faço o melhor que posso, mas nem sempre sai bom. Saigon é bonita, escrevo, te penso, toco violão. Batata frita é a do MacDonalds, não enxergo de longe e de perto não lembro o nome. Ando de Headphone, mas escuto mesmo é você.

10 Replies to “Vivo vendo, sou sendo”

  1. Bonjour mes Amis et Mes Amies du Net
    Comment vas- tu
    Dehors ce n est pas le beau temps
    La tempête est là ,cela me dis rien de sortir
    Alors ce jour je vais abordé ton blog
    Avec un sourire, un petit mot
    Pour venir te saluer
    Je te souhaite une agréable journée ou peut être une bonne soirée si tu es loin
    Je te remercie aussi des passages et tes mots que tu laisses sur mon blog
    Prends bien soin de toi et de ceux qui sont autour de toi
    Bisous Bernard

    Curtido por 1 pessoa

    1. Bonjour Bernard.
      Bisous Bernard. Je m’excuse d’avoir utilisé Google comme “interprète”, mais je ne parle pas français. Je viens du Brésil et je visite votre blog plusieurs fois. Je reviens toujours mieux que quand je suis arrivé. Avec affection, Mariel

      Curtir

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: