De sol a sol

Gosto de capturar cenas, como essa aí em cima. Todo dia o sol se põe ali, um depoimento de beleza e de rotina. Esteja onde estiver, acontece, não depende de mim pra nada, nem do meu olhar ou admiração, é da natureza desse espetáculo apresentar-se. Não, não vou seguir o caminho fácil de concluir que as grandes coisas estão nos pequenos acontecimentos. Mesmo porque de pequeno, um por de sol não tem nada. É uma roda gigante no poente, um poema escaldante. É por sí só e por ser sol, surge e depois se vai, iluminando os dias entre um tempo e outro. O sol e sua existência são como perguntas do dia pra mim. O que você iluminou hoje? Quanto orientou alguém? O que você fez por ser você quem você é? Quem você é? Quem você é? Enquanto se pergunta quem você é, você compreende que você é uma contínua possibilidade iluminativa? Que será e se apagará, fim de toda estrela que se preze. Que enquanto o processo acontece, quem você é terá menos e menos importância, quem quer que você seja. Do que me desfiz hoje, de qual certeza, em que altura da vida me imagino? O que aprendi, como fui feliz, onde minha saudade se põe? O teu (o meu e o nosso) amor é solar. A noite, ilumina um lado. De dia, deixa que o outro sonhe. Isso não acontece por acaso, retire qualquer possibilidade de coincidência. A relevância do sol não a sua existência, mas o fato de renascer todo dia.

2 comentários

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.