Sintomas

Lembro de usar uma camisa nova, talvez fossem meias, eram azuis fossem mesmo meias. E jeans, fosse camisa. Lembro de um presente escondido. Lembro de um riso, de uma flor de rua, de uma lista imensa de canções da vida. À medida que via, deslembrava de injeção, torção, belisco, topada, mordida na língua, íngua, queda, perda e distração. Pela primeira vez na vida, prestei atenção e fiquei feliz morando ao lado da existência de alguém. Sabe barraco de criança, desses feitos de lençol? Dentro de mim tinha riacho de água doce, leite moça, por se sol e inocência sobrevivida. Tinha um vagalume, duas festas se aniversário, um barbante, 5 elefantes, um passarin, 7 alegrins, um chá de hortelã, bom dia de manhã, boa noite de noite, além de espaço dos grandes. Lembro de usar dois relógios, de ficar fácil, simples, lento e feliz. Lembro de uma cicatriz na canela, outra no joelho. De ficar velho. De gostar de um tênis. Nossa, como gosto de ti, dos filhos e de ensina-los a seguir adiante, como sugiro agora a mim mesmo. Lembro que fiquei esperando. Que errei uma medida. Que troquei datas, que caí numa esquina, de sentir tanta falta que o coração sentia câimbras e que você disse que gostava de me ver bem. E olha só, nem estou.

10 comentários em “Sintomas

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.