Histórias

Alguém fez um comentário e me pediu para não publicá-lo, apenas para ler. Foi o que fiz. Então concluí que a pessoa entendeu que escrevia especificamente para ela, o que está longe demais do real. Esse espaço foi inspirado pela alma que amo há muitos anos e, caso existam, muitas vidas. Não há espaço em mim para outros olhares nesse tipo de afeto. Entretanto, o comentário e o pedido me fizeram pensar sobre o quê e como escrevo. Costumo dizer que vivo sendo e que só obtenho dizeres à medida que esses representem viveres. Não ficciono, é uma condição. Não simulo dores ou prazeres, amor ou estados de espírito. O que está escrito foi vivido. Não é o bem certo nem o diabo errado. Sou eu, contanto o que vejo e de que lado. Nesses tempos de pós-verdade, declarações frígidas sobre tudo, gente rígida e cercada de capacetes, nada me interessa menos do que desentendimentos. Na verdade, nunca me chamou a atenção o dito por subterfúgios, o escrito cuja missão era outra, não faço tipo, sou esquisito de fato. A claridade que vejo em mim e no que declaro talvez nem seja assim tão transparente, mas sigo contando o que vejo. Ah, é o rabo. Não, é a pata. Nossa, é a tromba. De tudo que tenho de eterno ou de instante, juro que pelo peso, pela cauda miúda e pelo som que faz que as vezes o que toco e um cão e noutras, um elefante.

No fim, somos feitos de histórias cujo início é um meio de chegar aos afins, aos similares, velhos amigos, o único amor, alguma construção, muitas bençãos, canções, pedacinhos do tempo, danças e algum vento. Vivo de escrever há tanto tempo que isso se tornou pra mim um tipo de entendimento. Do mundo, da BIC, filosofias, alegrias, horas azuis, shows de Trumans, Hommer, homens, filhos, amigos, pais, estradas, livros. Arte nem tanto. Vida sempre. Asteriscos. Escrituras, lugar no cosmos, partituras, batutas, batatas, bitucas, pedaços, pistas, traços. Eu ofício é ode moer palavras, torna-las, toma-las com mais leite do que café, doma-las e deixar que voltem para suas próprias histórias. Escrevo não para dizer algo, mas para o que eu diga não viva a esmo. Não são recados. São letras que jogo no labirinto de mim mesmo. Não sei se me liberta. Mas sei onde não fico preso.

10 comentários em “Histórias

  1. Meu amigo sumido…que bom que voltou…senti a tua falta ..falta dos teus textos sejam eles do jeito que vc bem quiser…mtas reflexões,risadas,emoções nao so p mim mas creio p mtos trouxestes…continue c tua escrita sempre…abraço e fica c Deus

    Curtir

  2. Eu não sei se é a minha falta de atenção aos pronomes ou a minha cabeça avoada que só me fez perceber que tu és um homem, alguns posts atrás. Na verdade, isso pouco me importa, o gênero. Eu gosto mesmo é de me encontrar com as pessoas neste lugar onde somos todos iguais: dentro da nossa humanidade. Gosto do que escreves porque talvez nos ache parecidos na forma que nos expressamos, é muito fácil te compreender. Sempre bom te ler. Sempre!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Acho que o nome não ajuda muito na questão do gênero. Mas de fato é um lance de menor importância, se é que tem. Adorei saber que nos encontramos dentro da nossa humanidade, que imagem linda. Gestão por isso.

      Curtido por 1 pessoa

  3. Mariel, é incrível como se nota (ou pelo menos como sempre notei) a verdade nos seus textos, a clareza desse único amor, o sentimento que chega de um jeito cadente, fluído, bonito… é como se estivéssemos ao redor de uma grande fogueira, numa noite clara, ouvindo você contar suas histórias, com toda a poesia e sensibilidade que cabe à vida (e à todas as histórias). É uma delícia te ler! Um abraço, amigo… :)

    Curtido por 1 pessoa

  4. Suas histórias são boas demais de ler e ouvir. Parece que realmente ouvimos sua voz narrar todas elas para nós, seus ávidos leitores. Continue assim, sempre fiel a você que com certeza, sua verdade chegará a todos nós. Abraço!

    Curtido por 2 pessoas

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.