Conto e curto

O real é fruto da tua imaginação, falei para o meu amigo invisível. Como ele não me respondia, resolvi fazer um milagre, enquanto brincava de girar rinocerontes com minhas mãos de 10 dedos. Todas as 20.

Li no horóscopo que Áries vai soprar, soprar, soprar até que os três porquinhos paguem o que devem ao lobo.

Comprei na Acme (um pirulito biruta pra quem souber o que é) uma poção de real. No entanto, era uma senhora batata, não gorda, sim grávida, poética e falante. Me dizia que sua batatinha quando nasce espalha a rama pelo chão, o que é diferente de “se esparrama pelo chão”. Disso você não sabia, sabia?

Wood Allen me telefonou. Disse na cara dele que seus filmes são pura projeção.

E que o sabiá roeu a roupa de mares nunca antes que os malucos vençam. O amor é lindo e eu não deveria escrever sob efeito de remédio. *** (muito, mas isso nem preciso estar lúcido para saber)

16 comentários

    1. Lara, é desse textos que você começa e pensa que é uma boa ideia. E depois pensa de novo. E outra vez, até achar um culpado

Deixe uma resposta