É sempre hoje

No centro da alma das coisas, um invisível repousa. Meça o pulso, que bate de nervoso. Ri do meu estorvo, rema entre bardos e seus barcos de papel. Escreve que no centro das coisas existe uma alma que repousa no colo intenso que pulsa no pulso da vida. E se mistura enquanto se torna indivisível átomo, inesquecível ato, invencível ímã do sempre.

Publicado por

Mariel

Vale o que está escrito

Estou adotando comentários. Deixe o seu aqui

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.