Quando

Nada é mais longe do que amantes separados. Por trabalho, bobagem ou um impedimento qualquer, algo nada natural acontece. E aparece ali, nas entrelinhas do dia, um estranho cuja resistência depende do riso que está fora do alcance. Um calor externo, algo tão seu quando não seu pertencente, o outro e suas outrices.

Estive longe uma longa vida e o tempo inteiro estive exilado em mim. Quando penso em presentes, acho que é pra recompensar a presença, aquietar ausências e explorar quem sou. E sou quem leva sopas ou aguarda lá fora, que erra o tempo, que anda devagar por que já teve a pressa de te encontrar.

Habitar o prestes a um encontro é uma bagunça sem fim, alma que amo. É a nave entrando na órbita, essa mistura de fogo e gelo, o velho desconhecido e o novo já visto.

Será que é hoje, será que acontece, será que entendeu o que disse e será que será será como já falou Caetano, o baiano que tem tanto a declarar?

Nunca escrevo para concluir. Não me atrevo, só penso o que vivo e dentro de um senso que me vista com a essência daquilo que acredito, até que isso se revista de insumo para outras coisas pensantes. E de outros sentidos unindo o agora com um pouquinho de antes. ***

O fim de tudo

Imagem

Pra viver leva uma vida inteira para viver leva uma vida inteira para viver leva uma vida inteira, muito cuidado: a repetição pode parecer interessante. É por isso que  a realidade não pode ser essa dança pavorosa dos senhores de farda, os donos da mídia, os agregadores de valor para coisas inertes. O fim do escuro é o que a claridade revela, ainda que às vezes, para entender, a gente precise rezar em alguns cantos e oferecer velas para tudo que existe de santo naquilo que não compreendemos como simplesmente natural. Transformamos a vida em algo que acontece lá fora enquanto o que somos adormece em nós. Mas não teremos êxito nisso: o  fim de tudo é a alegria das partidas inevitáveis, a saudade que deixa, o tempo vivido, ainda vívido em detalhes como esse, que você acabou de lembrar, ou que se lembrará ou que lamentará não deixar de herança para si mesmo: lembranças são fundamentais na vida . Mas nos esqueceremos disso porque o fim do amor são os sinais que traz, nos faz mensageiros de um portal. Habitá-lo exigirá mais coragem do que deixar que se feche, é o que mais acontece, é quando o mundo entristece e surgem os lamentadores dos amores perdidos, os deprimidos, o olhar fixo no que não está mais lá. Quem não honrar seu amor, verá o amor passar. E feliz, porque o fim do amor é ser feliz desde o início de tudo, quando tudo eram trevas e veio o verbo e do verbo se fez o amor iluminado, também conhecido por luz. É assim que vejo o novo ano, um novo dia, um novo projeto, um novo texto, a nova ideia, o projeto novo, o novo rumo, um novo amigo, um novo amor. Seu fim é ser totalmente surpreendente, impressionante, fascinante, contente, constante, bem dito. No fim, o fim de tudo é o infinito.

O amor não é para amadores

Um dia, tirei foto de um casal distraído. Pamorenso que o amar é assim, acontece aos que se dão por vencidos. E, não precisando mais, abrem mão de ter razão e passam a conversar entre si. Ninguém é feliz sozinho, como diria o poeta? Mesmo, mesmo?  Os amores são para amantes, não para iniciantes, esses que declamam coisas como “não posso viver sem você” e acham que isso é, sei lá, bonitinho. Se alguém me diz isso, antes de terminar a frase, estou a 200 quilômetros de distância e não vou pensar em parar antes de chegar a seguros 400 quilômetros. A não ser que seu amor seja seus pulmões, sim, você pode ser feliz sem ele ou ela. Diria que deve: ninguém encontra um amor que mereça esse nome se antes não for capaz de ser completo sozinho, que essa coisa da metade da laranja é conversa pra Fábio Junior dormir. O amor é vão, escreveu o Gil, no sentido de espaço comum, não de único espaço. Amar é um ato de independência, vem aos poucos ou em forma de avalanche, não importa. Mas depois de toda a desarrumação que causa, o sentimento se acalma e serena pela consistência amena da sua matéria prima, a admiração pelo outro. E se o que admiro no outro é a projeção do que vejo de mim, qual a graça dessa criatura reflexo, eco do que penso, dependente do que sou?  Amar faz a diferença, mostrando que há distancia entre os amantes, amores precisam tanto do hiato quanto do contato, prantos às vezes, noutras saudade, lembranças, fins de tarde, mesmo anos à fio sem a menor notícia, ninguém morre de amor, só é possível viver a partir dele, não por ele. Quanto desencontros, abandonos, desentendimentos,  solidão e caminhadas noturnas em nome do amor que se deseja ou se espera e ele nem existe, é uma invenção do SBT, passou na TV, projetou-se no cinema, transformou-se em poemas, consagrou escritores, convenceu céticos e terá seu fim decretado pelo fato puro e simples de não poder sustentar o peso que causa. O melhor pronunciamento desse amor é quando se cala, silenciado pelo pouco que tem a dizer, extenuado pelo tanto que cobra. Quem não se ama a ponto de não poder viver sem o amor de alguém, que amor pretende ou oferece? É um amor sem brilho, nem trilho, nem trem. Quando um amor real surge, ressalta o que há em você de especial, mas tem que haver,  tem que ser você, que enfrentou leões, multidões, que manca, que se levanta e que já esteve encurralado no lado errado do rinque. Tem que existir você, porque o amor não mostra o que não enxerga, nem resgata quem não o mereça. Ah sim, o amor melhora a pele, deixa os cabelos brilhantes, o sorriso fica mais fácil e nada é assim tão caro ou longe. Mas o mais fundamental que ele traz é sua capacidade de tornar-se eterno, posto que clama pelo infinito e pelo pleno do qual é feito. Não amo o amor, nem dedico a ele altares ou poesia ruim. Em compensação, lhe ofereço o que existe em mim de presença. Não para prende-lo, mas para que o mereça.