Mariel Fernandes

Vistas do meu Ponto

Posts tagged ‘caminhos’

Geoexistência

A (linda) foto é do meu amigo Gianni Crestani
Anúncios

Guarde

Entre estalos secos, pequenos gemidos, alguns estampidos e rajadas de ventos,
havia um All Star azul. Era com ele que a hora vinha, nascendo do nada, brotando da água, borrifando brisa na cara da Terra. A partir daí, é tudo artesanato. Reescreve o visto, redescobre o gosto, refaz o aroma, reproduz os sons e resignifica o tato. Todo resto é matéria torta, pedaços de madeira, bandeiras, um teatro onde ninguém atua. A vida é em torno do sol. Viver é te ver, olhando pra lua.

O que é guardar algo? Antônio Cícero nos responde, traduzido por ninguém menos do que Fernanda Montenegro. Guarde com o carinho que é enviado.

Do diário de bordo

naus frageis

Não é tarefa simples voltar a um lugar que nem existe mais. Ali onde estive à deriva, me debati e fui exilado em uma ilha deserta. Sabe qual a primeira coisa que morre num naufrágio? É a sua confiança infantil em navios. Mesmo os grandes e invencíveis, mesmo os estupendos, mesmo esses tropeçam no mar e de repente ficam invisíveis. Talvez por isso, ao retornar àquele ponto específico, compreendi que há uma distância muito grande entre lembranças oceânicas, afetos atlânticos e o amor pacífico.

O que sei é que a passagem do tempo e a ausência de tentativas de resgates trouxeram uma pergunta: foi mesmo um acidente? A fome, a sede, o sol que racha a alma, tudo te interroga: foi mesmo inevitável? Sua mão se lanha numa rocha, o corpo emagrece, você é o único sobrevivente numa ilha cheia de ausências. Foi sem querer que te deixaram ali?

Uma vez moída a esperança, findas as preces, terminados os rituais para todas as luas, tua alma vai ficando minguante, miúda, nua, viúva de si. É quando você se torna sua última instância e a fronteira da vida está a uma decisão de distância. Pode parecer estranho, mas é assim que nascem os barcos. Porque se ficar é insuportável pelas dores que causa, é justo isso que torna irresistível parir novas rotas. Afinal, reinventar trajetos é um dos destinos daqueles cujo ponto de partida é um lapso, um silêncio repentino. Quando o naufrágio se torna a referência, tudo é despedida, idas, navegação às cegas. Não há descanso ou terra à vista. Surge um medo profundo das águas e se tatua mágoas na alma.

Será necessário uma dose de paciência até que a decisão torne o coqueiro, o cipó e a baba de sapo em algo parecido com um barco. No meu caso, levou anos. Enquanto isso, aprendi a acender fogueiras, escrever em lugares ermos, a tomar banho gelado e a prever as chuvas pelo tipo de vento. Descobri lugares, mudei coisas, questionei autoridades, estive por um triz e na beira de mim centenas de vezes. Me desonhei, mas encontrei uma árvore. Me estranhei, mas fiz um curso em milagres, entoei cânticos estranhos e calei canções sinceras.

Entretanto, quando você deleta o que havia de vivo em si, algo no mundo lamenta, inspira ou delata. Começa assim uma guerra entre o eterno e o tempo, lembranças e esquecimentos, algo que dói tanto que te leva a uma encruzilhada: se isso é sentir muito, então o melhor é não sentir nada. Pra gente como eu, é quando o coração para.

Foi o jeito que encontrei para cessar os temporais, apagar fogueiras e dormir um pouco. Lucas vigiou de longe. Pedro e Márcio não mediram distâncias. Eduardo trouxe até Rock, o lutador pra batalha. Guinha pediu pra que a barca se fosse sem mim. Nita emprestou a inocência. Manoel, a sabedoria. Cada um e todos torceram, estavam lá, agitando bandeiras. Sem que eu entendesse assim, a maior operação de resgate que já tive notícia veio me buscar. No comando, imperturbável no posto, Eneida. Ela e seu sorriso incondicional, abrindo os caminhos, escalando montanhas quando eu já não podia, dizendo no gesto quando não ouvia mais, se fazendo cura e parceria. Tive a sorte dos principiantes, me tornei meu próprio viajante e segui o farol dos andantes, dos resgatados, o farol dos afogados. Foi assim que aprendi que viver é uma troca, um espaço de conversa, um portal. Entendi que o perdão, esse gigante com o dedo em riste, pode ser desmascarado. É uma invenção, é criação do ego, a exaltação do erro, perdoar é impossível: a única coisa real é que o pecado não existe. Um dia me ensinaram que o amor não existe para sempre. Me mostraram que como é atemporal, o amor é sempre. Não é relativo nem dependente do tempo. Gil cantou que o amor é vão, um pedaço nem sempre confortável entre as linhas retas que existem nos caminhos, nos anúncios, avisos e presságios. É um tesouro escondido o amar, o amor, os amados. Jamais descobriria isso se não tivesse naufragado.

(PS: Gentes, desculpe o silêncio. Foi um tempo precioso, senti saudades de cada um, assim, de verdade. Aos que se manifestaram, que gratidão pela queridisse de sentir minha falta. Aos que não fizeram isso, grato por não desistirem da minha companhia. Somos mais de 500 amigos. Que tal continuarmos juntos? Por mim, as conversar recomeçam agora. Vamos?)

Admirável mundo velho

mariel fernandes.releituras.alma enluardada
O carteiro gritava o nome das pessoas, fulano! E andava ruas e ruas gritando nomes, crianças o cercavam. Ele andava com um maço imenso de cartas, postais, avisos, emoções escritas à mão, algumas perfumadas. Um batalhão de coisas precisa acontecer para você receber uma carta, havia um ritual a ser superado entre suas idas e vindas, o que lhe conferia graça e aura. Nada é tão especial quanto o mistério e o tempo que leva para ser descrito.
O torcedor comemorava o nome do ídolo. Fulano joga tudo! E no próximo ano, ele estaria ali, correndo pelo seu time. Não por outras cores, mas aquelas de sempre, fulano era nosso ou deles. Não se amava dois escudos, não sem enfrentar o desprezo infinito e a vaia eterna, lembrando sempre a falta cometida. Nada é tão eletrizante nem tão manipulado quanto a fidelidade coletiva.
O professor dizia “ele veio de São Paulo”. Fulano era paulista! E todos o olhavam como se a cidade ficasse do lado direito de Marte e ele próprio tivesse oito olhos. Ser de um lugar que não o nosso, o de sempre, o mesmo lugarejo, da vila de todos, era em si só uma aventura cercada de lendas, admiração e uma certa dose de mentiras. Nada é tão longe quanto o que não conhecemos.
Os amigos cochichavam “fulano tem um Kichute”. Fulano é rico! E todos ficavam alucinados com as voltas imensas que o cadarço exigia, as travas de segurança no solado, a cor preta do produto e o sorriso vencedor do seu proprietário. Não chuteiras de várias cores, nem marcas piscantes em neon, não. Um Kichute era um marco social. Nada como a ignorância para manter certas inocências.
Todos comentavam que os fulanos estavam separados. E já não haveria lugar na igreja para ele e – principalmente – para ela. Ser divorciado era ser transformado em uma pessoa-bomba, um monstro do lago, o Sacy Pererê, um perigo para lares bem formados. E os filhos, a família, tudo desapareceria no inferno para onde Deus nos mandaria em caso de separação.  Nada como moral e bons costumes para comemorar bodas de infelicidade.
Quando penso no passado, lembro de praças com campinhos de futebol, ninguém praticava outra coisa. Recordo telegramas (uma espécie de Twitter impresso). Revivo, mas não o quero de volta, mesmo remodelado feito o New Beatle. Estive lá, vivi o melhor que pude, me transformei no que existo hoje. Olho pra trás e cumprimento o caminhante que fui e a coragem com que foi em direção a si mesmo. Entre a chegada há tanto tempo e a partida sem tempo definido (mesmo depois do susto), há o espaço do meio. Intenso, imenso, cheio. Nada como o amor do sempre para nos guiar entre o ser e o estar.

Os passos

Recebo, leio e ouço uma avalanche de passos. Parece que há uma receita mágica baseada em números, uma lógica matemática por traz da vida, Deus é um algarítimo. São as 6 coisas que você deve saber sobre o meu ipad. As 8 atitudes que fazem seu chefe sorrir. Os 50 filmes que você deve ver para poder visitar os 100 lugares que devemos conhecer antes de morrer. Tem os 90 livros a serem lidos depois de reencarnar e os 21 pratos típicos dos reis astecas. Acho que essa mania de reduzir as coisas ao seu mínimo começou com os mandamentos, cujo título original era As 10 Mais do Maioral. O cliente não aprovou o título, queria algo mais direto e… bem você conhece a história. Como perder 14 dias em duas semanas, 12,5 truques para ficar irresistível, 8 formas de fazer a prova dos 9, quem guarda tudo isso? E pra que? Não existe um resumo, tipo os 7 passos para aprender a caminhar.  Essa  é melhor notícia, a grande aventura, a felicidade geral da nação. Olha que sorte, a vida não pode ser terceirizada, tem de ser caminhada, vivida, explorada em seus subterrâneos e vielas. Sem um GPS existencial, somos obrigados a encontrar nós mesmos os rumos, desvendar os segredos, aprender a ler nas entrelinhas, evitando ruas escuras ou as iluminando. As marcas, rugas, rinhas e ruídos dos dias são o barulho das coisas respirando,  nem tudo é feliz, nem tudo é chorando. É possível viver na falta total de lógica, na carência absoluta de consistência e na impermanência de tudo, porque é isso que temos. É possível viver sem a auto ajuda resumida dos sábios de livraria. Guias e heróis são inaceitáveis e um afronta à nossa capacidade criativa. Não conheço as 21 respostas pra tudo, mas nenhum cego me orienta. Sei os 50 mil lugares para não ir porque estive neles e estou aqui para não contar a história.

Enluarada 3×4

Enluarada, silente e calma

Caminho tranquilo diante da madrugada. Não me assustam os sons, nem divido humanos entre maus e bons. Das aparências digo adeus sempre, há muita coisa para se ver, lançando olhares além delas. Ouço uma música do Toquinho com Vinícios, devo ser o único. Se chama  “Aquarela”  e acho tudo ali muito melancólico. Minhas noites são enluaradas, lutei por elas. E cada hora que passa é inteiramente minha, como me pertencem os dias, esses milagres que acontecem ao longo do tempo. Há muita posse no planeta e creio que esse é o lixo que mais o esquenta, atrapalha, ilude. Não pertenço a nada, nenhum clube, sou uma imperfeição completa e impermanente, o que não faz da coerência o meu forte. Mas tenho noites enluaradas, é preciso gostar muito de luxo para encantamentos sem grifes, marcas, releases. Hoje, mais uma fez aposto na alegria que ilumina e guia as almas deslumbrantes, amantes e felizes.

%d blogueiros gostam disto: