Sobre todo o sentimento

                                                           Te escrevo aqui, na parte rasa da noite, onde Chico canta o que há de lindo em uma marieltodosentimentoseparação finalmente compreendida em sua necessidade básica de ir. “Preciso não dormir até se consumar o tempo da gente” é uma aceitação da insônia que vai reger a passagem das horas. Não serão momentos fáceis, alerta o poeta de olhos de mar, como Betânia o chama. Afinal será preciso conduzir “um tempo de te amar, te amando devagar e urgentemente”. Devagar para viver o que falta. Urgentemente para superar o que sobra.

Buarque é um alquimista capaz de transformar dor em ouro, o que exige um certo cuidado com os seus ditos. Afinal, podemos achar reluzente o que dói, passando a andar por aí expondo chagas, como fazem os pedintes nos sinais de trânsito. No fundo, o que eles desejam não são as moedas, mas sua retirada do invisível onde faz frio, além do fim do exílio, que os leva para longe de si mesmos.

No entanto, é preciso ter em mente uma coisa muito importante: se tudo der certo, muita coisa vai dar errado na vida da gente, afetos inclusos. Por pequenos ciúmes, grandes defeitos, projeções diversas, posses disfarçadas de cuidado, medos à granel, covardia no atacado, chatice pura e simples ou fadiga de material. Além disso, teremos distâncias, incoerências, impedimentos variados, burrice crônica, dependência ou distração abandonante. O amor navega em águas profundas, é um lugar isolado como o Tibet: dá um trabalhão para chegar, pode fazer um frio danado e você tem que pedir autorização pra China, que nem sempre está de bom humor.


Por isso, quando Chico diz que coisas como “pretendo descobrir no último momento um tempo que refaz o que desfez”, algo se alerta em mim. Afinal, ninguém que deseja mesmo fazer algo se declara um pretendente. Veja o Luther King e o seu famoso “eu tenho um sonho”. Ele não disse “pretendo ter um sonho” porque nada acontece no tempo do pretendendo. É um território árido, preguiçoso e sem graça, onde tudo nasce no gerúndio.  O amor é algo que zarpa, cruza, abarca, parte, inspira, vai, fica, explica, constrói, fortifica, imobiliza, movimenta, é farol que desorienta. Artesanato imperfeito, alegria em construção, amor exige fronteira clara entre o que é você e o que há no outro: amor não é comunhão, é comodato, se dá na troca entre iguais. Amor é uma porção individual, uma festa no interior, um silêncio em conversação. Acho que era isso que me incomodava em Todo Sentimento. Eu a ouvia como algo que não era, daí a impossibilidade de compreensão. Todo sentimento não algo sobre o amor, é algo sobre o amor reconhecido em seu começo, respeitado em seus meios e liberado em seu fim.

Resultantes

Captura de Tela 2016-09-01 às 20.33.37

 

Viver é artesanato. Algo feito de gestos (nem sempre pacientes) moldando o cotidiano. Não há vida em série, nem linha de produção para a existência. Somos individuais, não podemos ser compreendidos separados de nós mesmos. Posso descrever a saudade que sinto. Lembrar teus gestos. Lamentar as solidões ou comemorar em mim o que me trazes. E ainda assim, tudo que te chegar, por mais que te toque, será outra saudade, outro gesto, outro silêncio e outra comemoração.

Viver é tradução. Algo feito de falas (nem sempre sábias), dialogando com os dias. Não há declaração definitiva. Nem existe entendimento coletivo sobre o que quer que seja. Parece que a ilusão é o que temos de mais real. Infinito, dito, não dito ou simplesmente omitido, o que entendes não depende do que digo. Mesmo assim, depois da tua chegada, será outra palavra, outra lavra, outros caminhos, outros baús e outros pergaminhos.

Viver é desenho em todos os seus riscos. Não há manual confiável, devoluções são impossíveis e o entendimento sobre origem e destino é precário. Estamos por nossa conta, à bordo de uma gordinha apaixonada pelo sol. Irá manter-se assim, nem tão perto que morra por excesso de calor, nem tão longe que desapareça em dias de frio.

Viver é entendimento. É a permuta entre o eterno e o momento, um desfile de imprudências, a mistura de experiências, o resultado de milhões de escolhas. É uma ponte, um instante, um exagero. De qualquer modo, teremos outros experimentos, outras passagens, outras viagens e outros finais. Somos humanos. São nossas diferenças que nos tornam iguais.

Um dia por vez

amor

A mais bela definição para saudade que conheço vem do Chico. “É como um barco, que aos poucos descreve um arco e evita atracar no cais”. A descrição chega a ser cruel. É possível ver a cena, a nau se movimentando lentamente, a esperança à vista, o olhar descrente, o abandono vagaroso do porto, o mar impondo distâncias entre você e as suas lembranças. Ainda que seja mais bonita do que a verdade, sugiro uma atenção cuidadosa da saudade. Ela arde, dá boa poesia, mas não liberta. Ah, o pão de queijo da minha vó. Bom mesmo era o Opala. No tempo dos militares isso não teria acontecido. Acontece que passado é fascinante porque passou, não está mais lá, pode ser editado e prosseguir te confundindo infinitamente. O passado não é um lugar, é um covarde que descreve um arco e evita atracar no cais. O futuro é um bom inspirador de filmes, contos, livros e pessoas. Mas se trata, ele também, de um farsante. Trata-se de uma promessa, uma premissa, uma aposta. É assim e por isso que desejo algo além da poesia. É o amor que levo de presente em cada um dos teus dias.

Gentes

Imagem

Toda pessoa me interessa, o gesto, o gosto e por quem seus sinos dobram. Pessoas são boas, algumas estão obras incompletas: vivem em curvas, sonhando com linhas retas.  Algumas são vestidos, se trocam, se gastam, esvoaçam pela vida, saem de moda, viram tendência ou panos de prato. Há dúzias de carros, centenas de Camaros, milhares de fusquetas, conheço duas ou três que são lambretas. Pessoas me deixam curioso sobre o rumo que tomam e o porque daquilo, o motivo sempre me intriga. Quando se toma a decisão entre ser leão ou viver formiga? Algumas, aos poucos, vão lentamente se afastando de si mesmas, essas me entristecem. Essas desamanhecem, o olho escurece, ficam enlutadas e submergem no silêncio das almas caladas. Corri esse risco, quase morri. Quem me salvou me salvou por amar uma vida que se ia, até que amanheci um dia , mas  ainda não agradeci, pelo menos não como devia. Pessoas são fundamentais, mesmo que eu esteja cada dia mais em dúvida sobre o pra que. O fato certo é que precisamos uns dos outros ou ficamos loucos, ciumentos e cheios de certezas. O que nos salva é a existência de tudo o que nos é  favorável e de todos que nos sãos contrários. É dessa fluxo que surge gente e gente ainda é a melhor saída, a grande chance de encontrarmos vida nos planetas que somos e nessa ilha que navega espaço à fora. Chatas, gordas, altas, cariocas, emergentes. Lindas, tolas, iradas, urgentes. Ainda temos tempo de curar as nossas chagas e de colocar na Terra uma grande placa: Tem Gente, mas há vagas.

Vera, Vida e Afece

Afece. Toda a vida é especial.

O roteiro é meu e da Vera Holtz, com DA da Gabriela Mombach. A produção eletrônica foi feita pelo Nicola e a produtora é a velha e boa Soft. Quem aprovou o comercial foi a Grazy Prezutti. Dá uma olhadinha (clicando no titulinho aí em cima) e se puder, entre em contato com a AFECE (Associação Franciscana de Educação ao Cidadão Especial) para conhecer o trabalho.

A banda mais fiel da cidade

Sulivan foi o redator, com o Ricardo na arte. Mariel Fernandes o dir de criação. A produção ficou por conta do Darci e o atendimento aos cuidados da Tereza. A ideia foi lincar a fidelidade dos ouvintes com a imagem do fone de ouvidos, cujo fio se transforma em aliança. Clique na imagem para ver mais detalhes.

Aos amores, vãos

Vãos são espaços onde se conversa, preferencialmente sem pressa. Ali, não há necessidade que nos abrigue ou obrigue, apenas escolhas pessoais, nem menos nem mais. Certo e errado são opiniões em cercas de arame farpado, precisam ter razão ou perdem o sentido. Portanto, por definição, errado e certo é só uma questão de lado. O amor nos recebe sem maiores perguntas e deixa partir os viajantes cujo destino não era ainda ele, por mais que assim se deseje. Todo restante dito sobre amantes, amores e amor é invenção do cinema: todo mundo vive sem todo mundo, ninguém deveria sair de casa se não pode ser feliz sozinho, felicidade é um estado pessoal. O amor é multiplição, depilação, um vão, abraço da alegria, é um contentamento, um samba enredo, não uma solução para os nossos medos inventaImagemdos ou reais. Provoca suspiros, motiva camisas novas, banhos mais demorados, os enamorados são um tipo lindo de se ver. Se ainda não aconteceu, um dia vai ocorrer e afirmo, será uma correria por tudo, por nada, por um beijo a mais na escada, um minutinho de plenitude. Viver dá muito trabalho, mas o salário compensa. Por amor, é quase tudo de graça, entende a diferença? Então não comprometa seu amor com responsabilidades que estão longe da sua competência. Seu amor não serve para fazer você feliz como nunca. Ele existe para saber você feliz como sempre. Deixe que o amar faça exercício, o mantenha em movimento ou ele vai se transformar em espelho, imagem, vício, um amar o amor prejetado, planejado, um amor sem o sentido do amor. Caminhe procurando não confundir costume com saudade, te amo com bom dia, ciúme com cuidado. Não dependa de nada para ter uma grande vida. Então, talvez, você será um vão onde seu amor pode viver tranquilo.

Eu gosto da novela das 8

E tem mais uma coisa, acho mais divertido do que  “O capital” do Max que não, não é o amante da Carminha (que é casada com o Tufão, que gosta mesmo é da dona do salão de beleza). Adorava novelas mesmo quando elas eram péssimas, porque

Max, eu te amo
Assim, a nivel de brasil, entente?

não assistiria agora, que são apenas ruins? Os programas religiosos também contam com a minha audiência e confesso (sic) que me divirto tanto quanto Friends, Chaves, Big Bang e outros enlatadinhos. Dia desses um dos atores do “Avenida Brasl” deu uma entrevista muito caprichada e afirmou que a trama “é um divisor de águas na produção cultural brasileira”. Prova que mesmo sendo rasas, as águas podem ser divididas, depois multiplicadas para milhões de corações brasileiros, como diz aquele samba que não sei quem fez. A trama envolve uma bandida (que também é mocinha) e uma mocinha, que pratica bandidagens. No meio de tudo, a cultura suburbana, o “Charme Dance”, uma salada indigesta de ver como arte, mas uma delícia para não pensar em nada. Ah sim, no final, muitos se casam, alguns são punidos e outros se dão bem. Quer mais Avenida Brasil do que isso?