Depois dos temporais

mariel-fernandes-depoisdostemporais-cronica-wordpress-janeiro-reinicio-revisa%cc%83o-iniciodeano

Daqui de onde te escrevo vejo muitas árvores. Pela quantidade de pius, não estamos em falta de ninhos, nem de pais-passarinhos super atarefados. A cena tem a mágica de uma alquimia intensa. Primeiro, transformou-se de brisa suave em tempestade furiosa num zapt. Depois fez exatamente o contrário, silenciando trovões, acalmando ventos e as almas da mata, lugar que só entro depois de pedir licença e me sentir autorizado. Sim, sou desses que acreditam que os elementais têm a chave dos portais, que eles habitam em todas as formas de inspiração e que estão em tudo que pulsa, sente ou pensa. De qualquer forma, como acredito, nada que existe ou inexiste depende de mim ou das minhas crenças. Não sei porque, mas acho que a chuva é Deus fazendo geometria e balanceamento na natureza. Há o atendimento à sede na terra cheia de saudade das águas, o verão aplacado em suas paixões, o inverno reconhecido em seus silêncios solitários e a primavera em seus renascimentos espetaculares. Somos um instante de tempo em movimento. Nesse exato momento nos lemos, nos descrevemos, nos reconhecemos, nos perdemos, vagamos, vamos, chegamos e partimos. É assim ou por isso que nos perdemos, nos amamos, nos encontramos e somos a expressão daquilo que demonstramos ou que deixamos inexpressado, mesmo que seja uma verdade. Entendi que também existo pela união das nossas humanidade, sempre tão repleta de sentimentos densos, deixados ou incompreendidos em sua extensão, origem e destino.

Aqui de onde te escrevo, já não te vejo e mesmo assim quero te contar uma descoberta. Ela começa com essa pergunta: e se os dias fossem de nossa autoria, qual parte seria? Eu, final de tarde. Vivendo entre inícios, afim de infinitos, sem nada da noite e com tudo de todos os dias. Eu final de tarde, no início do princípio, ali na fronteira enluarada da vida. É daqui que te descrevo os mistérios, os silêncios os murais. Um beija flor me trouxe um beijo. Não sei se foi você. O que sei é que não o ganharia se fechasse a alma para o mundo, seus dias amenos, os verões intensos e seus muitos temporais.

PS

Bom ano, queridos.

Vamos nos vendo,

vamos nos lento:

2017 será um tempo

ímpar.

 

O amor é à prova D’água

Imagem

Está na alma das ventanias essa sede marítima por navios. É da natureza adversa das correntezas diversas o ataque, a surpresa e o barulho assustador das tempestades. No momento do naufrágio, hora das águas, o  frio te acolhe, o calor te abandona e a ilha mais próxima está a uma distância atlântica da vida que havia. O que se verá por um tempo impreciso serão marinheiros singrando por mares difíceis. O resgate depende da rapidez com que se compreende algumas coisas: nenhuma terra é firme. Boiar, às vezes, é a única providência possível. Sobreviver não é o bastante.  Então, no momento que virá no tempo misterioso em que você deixa de se debater e desiste de mandar cartas náufragas a amores distantes. Quando você abre mão do sonho de resgates e ganha calo fazendo a balsa que salva, isso liberta em você o mistério que você mantinha cativo no outro. Se abre então um novo caminho em milagres, onde todo encontro é  feito de um auto perdão profundo e inexplicável. O meu veio sob a forma de um farol iluminando a beleza oceânica da vida. Nada mal para quem tinha medo de nadar.